O ingrediente mágico

A essência de Oud ou Agarwood originária do Médio Oriente é o ingrediente mágico que dita uma tendência nos últimos 5 anos nos perfumes modernos, como nas marcas de Tom Ford,  Dior, Gucci e Dolce & Gabbana. O aroma é descrito como rico, denso, amadeirado, doce, couro, bolorento. Usado como nota de base nos perfumes, os árabes utilizam-no como uma base primária antes da aplicação do perfume comercial, tornando este mais complexo e misterioso. A qualidade do oud utilizado confere status a quem o usa, variando o odor de pessoa para pessoa, sendo umas vezes percepcionado como especiado, outras como amadeirado suave.

ky-anh-agarwood-a-620x300

Plantação de Agarwood no Vietnam.


Apelidado de ouro líquido, o seu preço pode atingir valores acima dos 100 000 dólares por quilo, tão caro como o ouro devido ao facto de ser um ingrediente natural raro e sujeito a esgotar. O desafio que esta matéria-prima coloca aos mercados é em termos da sua oferta e da qualidade, sustentabilidade e rastreabilidade. No sentido de conservar este recurso natural, muitos países do Sudoeste Asiático tornaram ilegal a prática de colheita e abate destas plantas, outros países estipularam quotas máximas de exportação, existindo plantações dedicadas para colheita em países como na India, Bangladesh, Tailandia e Vietnam.

firstchange_292_whatstheagarwood-_03

Resina de Agarwood ainda na árvore.

A sua produção exige muito trabalho e tempo, sendo necessário 40 anos para se conseguir colher uma boa quantidade de resina. A resina aromática tão desejada é produzida quando a árvore da familia Aquilaria é infectada com um fungo durante o seu crescimento, sendo a qualidade tanto melhor quando mais velha for a árvore. É utilizado no Médio Oriente e Ásia há milhares de anos sob várias formas, nomeadamente incenso, óleos corporais e perfumes. Na tradição árabe, a fragrância do oud é usada para aromatizar a casa e em cerimónias religiosas, símbolo de boas-vindas. Na indústria da perfumaria, são utilizados compostos sintéticos para recriar o aroma e capacidade de fixação, que são contudo pobres substitutos do natural, sendo preferencialmente usados em misturas com a essência natural.

o-34122

Resina de Agarwood.

Porém, o contributo do oud para o perfume vai mais além da ciência e do olfacto, oferece algo mais valioso e intangível – magia.

Fontes:
Perfumer & Flavorist; Fragrantica; Fortune; Al Arabiya

Anúncios

Um frasco de perfume nunca está vazio.

Alguém que  passa e enche o ar de um aroma encantador… A arrebatar os olhares numa montra onde transborda bom gosto e sofisticação… Embrulhado num presente, que é a prova máxima de que quem o oferece nos conhece como ninguém.
Estas são algumas das formas como um perfume pode chegar ao lugar do nosso aroma favorito.

A experiência de escolher um perfume, começa no contacto com a embalagem, que o guarda e o enche de destaque. O impacto visual e táctil continua ao pegar no frasco, este binômio embalagem/frasco mostram antes de tudo uma face do perfume que apela a dois sentidos onde apenas a fragrância não chegaria e por isso são tão importantes na definição do seu carisma.

Depois o ato de abrir o frasco… da mesma forma que ao som das doze badaladas no ano novo, a abertura da garrafa de champanhe marca o celebrar de um ano que entra cheio de esperança e novas oportunidades, o irreversível ato de abrir um frasco de perfume é a libertação de uma sinfonia de notas olfactivas, que nos envolvem e abraçam, recordando e ajudando a criar um sem numero de emoções.

A cada utilização do perfume, a cada passo que nos acompanha, as memórias e as emoções que vivemos ficam ligadas a esse aroma de forma indelével. Assim cada gota de perfume que deixa o frasco, é substituída por um sem numero de emoções e sentimentos que ajudou a criar… e por isso… um frasco de perfume nunca se encontra vazio.

Saudações Perfumadas!

perfume-cheirar3

As intensidades de um perfume

Quando vamos a uma perfumaria aparecem-nos muitas vezes diferentes designações para os perfumes, o que poderá causar confusão. Estamos aqui para ajudar.

Um perfume é genericamente composto por: álcool, óleo essencial e água. Os diferentes termos estão relacionados com a concentração dos óleos fragrantes na composição do perfume e na sua origem. Quanto maior a concentração, maior a intensidade e durabilidade do perfume.

A Eau de Collogne foi introduzida na cidade de Colónia no século XVII e tem uma concentração de óleo fragrante que poderá variar entre 2-5%. A água de colónia original era composta por uma mistura de cítricos, lavanda, jasmim, tabaco, entre outros.

A Eau de Toilette mais antiga que se conhece data da Hungria do século XIV, sendo conhecida como “água da rainha da Hungria”. A Eau de Toilette tem uma concentração de óleo essencial que poderá variar entre os 5-15%. Esta é a formulação mais habitual nos perfumes comerciais.

A Eau de Parfum tem concentrações de óleo essencial que poderá variar entre os 10-20%. Esta formulação é muito utilizada em perfumes de autor como por exemplo o perfume “Terre d’Hermès” da Hermès.

Finalmente temos o Extrait ou em português extracto. Este é o perfume mais concentrado variando entre 15 e 40%. O IFRA (Associação Internacional de Fragrâncias) recomenda que a concentração não vá além dos 20%. No entanto, em países árabes as concentrações poderão chegar acima dos 30%, com o Oud (resina de Agar) a ser a nota dominante.

Apresentamos esta lista por ordem crescente de intensidades. No entanto, a classificação apresenta algumas sobreposições que deixam margem para que as marcas utilizem as designações de forma a melhor promover os seus perfumes. Tipicamente os perfumes comerciais têm uma composição entre 10-12% enquanto que os perfumes de criança têm uma intensidade mais reduzida (6-8%).

Mais importante do que a concentração da fragrância é a sensação que nos trás o nosso perfume favorito e as sensações que evocamos aos que nos rodeiam. Quando escolher um perfume, escolha com o coração.

 

imagem de perfumes

 

Perfume Design à Luz da Obra de Patrick Suskind “O Perfume”

i-sensis esteve presente no Clube de Leitura  da Biblioteca da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Abordando o tema  Perfume Design à Luz da Obra de Patrick Suskind “O Perfume”.

i-sensis no Clube de Leitura da Biblioteca da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

i-sensis no Clube de Leitura da Biblioteca da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Ver mais em: O Perfume: Química Emocional

A sessão foi moderada pelo Prof. Doutor Alírio Rodrigues (Prof. Jubilado Departamento de Engenharia Química-FEUP).